Número total de visualizações de página

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Sem Destino

"Naquela pacífica e melancólica praça, olhei em redor, para aquela rua tão fustigada, mas tão prometedora. Senti acender-se em mim uma enorme diligência: eu iria continuar a minha vida, agora impossível de continuar. Lembrei-me que a minha mãe fizera projectos para que eu fosse engenheiro ou médico. E é o que vai acontecer, pois não há nada tão inimaginável que não se possa suportar. De certa forma, já sei que à minha espera no trilho da vida - qual inevitável armadilha - está a felicidade."

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.